Enquanto público, estamos acostumados a conferir produções norte-americanas ou de língua inglesa nas telonas, e poucas vezes conseguimos dar atenção a obras vindas de outros países e nacionalidades.

No entanto, há cinema de muita qualidade sendo realizado em toda parte do mundo, e é por isso que recomendamos o filme O Insulto, representante do Líbano indicado ao Oscar 2018 na categoria longa estrangeiro.

A produção conta a história de uma discussão entre um cristão libanês chamado Toni e um refugiado palestino chamado Yasser que toma grandes proporções e leva a cidade de Beirute a um estado de conflito social.

Adel Karam como o cristão libanês Toni em O Insulto. Fonte da imagem: Divulgação/Imovision

Tudo começa de forma quase trivial, quando o construtor Yasser, contratado por uma empresa para realizar reformas em um bairro libanês, se desentende com Toni sobre o reparo de uma calha em seu apartamento.

A briga entre os dois se intensifica quando Yasser xinga Toni e, posteriormente, em uma nova altercação, a discussão passa para uma agressão física. Toni decide então processar o refugiado palestino por danos, abrindo feridas que vão muito além da calha no apartamento.

Com grandes interpretações dos atores Adel Karam e Kamel El Basha nos papéis centrais, O Insulto tem a imensa habilidade de descortinar os problemas étnico-raciais da sociedade libanesa contemporânea, jogando o espectador a cada momento em uma nova direção e perspectiva conforme mais dados e temas são adicionados ao julgamento do caso.

Kamel El Basha como o palestino Yasser em O Insulto. Fonte da imagem: Divulgação/Imovision

O desenvolvimento da narrativa mantém sempre a tensão, em um ritmo intenso e cada vez mais explosivo sobre o conflito entre os dois homens, e o caso dos tribunais se complica ainda quando passa a ter cobertura da mídia e se torna motivo de debate de toda a nação.

Dessa maneira, O Insulto tece um comentário não apenas sobre Beirute ou o Líbano nos dias atuais, mas lança também uma luz sobre como lidamos com a alteridade cultural nas nossas relações cotidianas. Afinal, quantos problemas poderíamos evitar deixando de lado o orgulho e passando a respeitar mais o outro/diferente?

Pela maneira como o filme é capaz de abrir nossos olhos para outras questões do mundo, seja no sentido da geografia política ou em uma noção mais íntima e interpessoal, O Insulto merece ser conferido. Você dificilmente irá se arrepender.