Eu, Tonya, o longa protagonizado por Margot Robbie (Esquadrão Suicida), é um dos mais falados da temporada do Oscar: foram três indicações, incluindo melhor atriz para Robbie. Baseado em uma controversa história envolvendo a patinadora Tonya Harding e seu ataque contra sua rival Nancy Kerrigan, trata-se de uma biografia que foge dos padrões vistos em Hollywood.

Dirigido por Craig Gillespie (Horas Decisivas), o filme é uma comédia recheada de humor negro que acrescenta alguns fatos curiosos para essa trágica história recheada de pontas soltas que não foram descobertas até hoje. Para exemplificar esse controverso capítulo da história do esporte mundial que ganhou as telas, listamos alguns fatos sobre a produção do longa:

1. O diretor Craig Gillespie dirigiu um comercial com Nancy Kerrigan no passado

Antes de ser um diretor de cinema, Gillespie trabalhou na produção de diversos comerciais para empresas publicitárias. Quando a patinadora estava atingindo seu auge, ela gravou um comercial para uma marca de sopa que foi dirigido por ele.

2. A produção de I, Tonya contratou uma das coreógrafas de Nancy Kerrigan

A ex-patinadora Sarah Kawahara foi contratada para ensinar as coreografias a Margot Robbie e às outras atrizes. Kawahara foi treinadora de Kerrigan para um evento de televisão em 1995 — Nancy Kerrigan Special: Dreams on Ice —, além de ter sido responsável pela coreografia da Olimpíada de Inverno de Salt Lake City, em 2002.

3. Allison Janney já disputou competições de patinação

A atriz que interpreta LaVona Golden, mãe de Tonya, e está indicada ao Oscar de melhor atriz coadjuvante tinha aspirações de disputar Olimpíadas, mas teve esse sonho interrompido por uma lesão no tendão após se chocar com uma porta de vidro.

4. O papel da mãe de Tonya Harding foi escrito especialmente para Allison Janney

O roteirista Steven Rogers é amigo de longa data de Janney, mas nunca conseguiu trabalhar com a atriz. Para o papel de LaVona, ele fez uma grande pesquisa sobre ela; como não havia muitas informações concretas, ele tomou diversas liberdades criativas pensando em Janney e escreveu a personagem.

5. Foi usada cerveja para fazer o penteado de Tonya Harding

Em um entrevista para o site The Hollywood Reporter, a cabeleireira Adruitha Lee disse que apelou para cerveja barata para moldar as perucas que Margot Robbie usaria no filme. De acordo com ela, para conseguir o visual bem “único” de Tonya, só usando produtos não convencionais.

6. Até o periquito teve que passar por testes

A produção testou três pássaros com a atriz Allison Janney para ver qual ficaria mais calmo em seu ombro durante as cenas. Em uma entrevista para o The Huffington Post, ela disse que tinha que escolher um periquito que ficasse quieto em seu ombro, mas que parecesse ter uma relação íntima e antiga com a personagem. Depois dos testes, escolheu um chamado Little Man.

7. Margot Robbie teve uma lesão durante as filmagens

Devido aos exaustivos movimentos de patinação no gelo aos quais a atriz não estava acostumada, uma lesão de hérnia de disco próxima ao pescoço se desenvolveu, o que a fez pensar em deixar o filme. “Como eu era produtora, eu ficava assim ‘não podemos pagar por isso’, então faça algumas infiltrações e vamos continuar”, disse Robbie ao SAG-AFTRA, confirmando que só continuou no projeto por ser produtora. Durante as filmagens, ela passava por ressonâncias magnéticas todas as semanas para confirmar se poderia gravar ou não.

8. Informações de contato de Tonya Harding convenceram Steven Rogers a escrever o filme

O roteirista começou a pensar em contar essa história ao assistir a um documentário de patinação no gelo, mas sem muito entusiasmo. Após acessar o site de Tonya Harding e ver o contato dela, Rogers se sentiu inspirado e confiante em fazer um filme baseado nela. Após encontrar Tonya tempos depois, ele não pensou duas vezes e deu continuidade ao projeto.

9. O roteirista acrescentou seu ponto de vista em trechos que pareciam contradizentes

Para escrever I, Tonya, Steven Rogers fez diversas entrevistas, principalmente com Tonya Harding e seu ex-marido Jeff Gilroy (Sebastian Stan), mas os dois apresentavam “verdades” diferentes, dificultando a escrita. Como Rogers estava contando uma história que ainda não tinha um veredito, ele decidiu dar seu ponto de vista contando os dois lados, deixando o público decidir qual das duas versões parecia ser mais verídica.

10. Margot Robbie não sabia que os eventos do filme realmente aconteceram

A atriz protagonista não conhecia a história de rivalidade entre Tonya e Nancy, muito menos a história do ataque em 1994, e pensou ser uma obra de ficção até ler o roteiro pela primeira vez. Robbie é australiana e tinha apenas 4 anos quando tudo aconteceu, portanto é bem aceitável que não tenha conhecimento da história.

Veja também: Eu, Tonya: Margot Robbie brilha em um filme surpreendentemente inventivo (crítica)

Este texto foi escrito por Pedro Henrique via n-Experts.