Após Jay Asher, autor do livro "Os Treze Porquês", ter sido expulso da Sociedade de Autores e Ilustradores de Livros Infantis (SCBWI, na sigla em inglês) após acusações de assédio sexual, a Netflix se pronunciou para afirmar que o escritor não está envolvido na 2ª temporada da série e que nada foi afetado na produção. Em nota enviada à Entertainment Weekly na última semana, a empresa garantiu que "Jay Asher não esteve envolvido no segundo ano de 13 Reasons Why. A próxima temporada não será impactada de nenhuma maneira".

A SCBWI revelou no último dia 12 que Asher violou o código de assédio da organização. Em email à Associated Press, a entidade informou que Asher foi desvinculado após uma investigação sobre as acusações, mas não deu mais detalhes sobre o caso contra o escritor.

Ao site BuzzFeed, Asher se defendeu. "É muito assustador quando você sabe que as pessoas simplesmente não vão acreditar em você assim que você abrir a boca. Eu me sinto em conflito a respeito desse assunto em razão do que está acontecendo na nossa cultura e em quem as pessoas devem acreditar ou não", declarou. O comunicado é uma menção à onda de denúncias em Hollywood após o escândalo envolvendo Harvey Weinstein.

Na mesma nota, Asher diz que a SCBWI não o expulsou e que a decisão de sair foi feita por ele próprio. "Eu entendo o dilema pelo qual eles estão passando com tudo o que está acontecendo. Eu amo a Organização, mas eles não decidiram me expulsar. Foi minha decisão."

A Netflix finalizou recentemente a produção da 2ª temporada de 13 Reasons Why, baseada no livro homônimo de Asher. O primeiro ano conta a história do suicídio da estudante adolescente Hannah Baker (Katherine Langford), que antes de morrer gravou 13 fitas cassetes narrando os motivos que a levaram a tirar a própria vida.

A nova temporada ainda não teve sua data de estreia definida, mas vai mergulhar nas consequências e nos efeitos do suicídio de Hannah nas pessoas ao seu redor.

Não é a primeira vez que a Netflix precisa lidar com escândalos desse tipo. No fim de 2017, Kevin Spacey, protagonista de House of Cards, foi acusado de assédio sexual por várias vítimas. A empresa decidiu então cortar relações com o ator e cancelar a série após a exibição da 6ª temporada. Como o sexto ano estava sendo produzido logo quando as acusações contra Spacey surgiram, os roteiristas precisaram correr para reescrever a história sem Frank Underwood. Com isso, a empresa sofreu uma perda de US$ 39 milhões por conta de um “conteúdo inédito que decidiu não levar adiante”.

A plataforma de streaming também cancelou o plano de produzir um especial de stand-up com Louis C.K., que foi acusado de comportamento sexualmente inapropriado, e afastou Danny Masterson de The Ranch após acusações de estupro.

Este texto foi escrito por Rodrigo de Lorenzi via n-Experts.