O criador da série Veep, Armando Iannucci, realiza uma nova obra inspirada na política, mas recheada de humor e sarcasmo, com A Morte de Stalin.

Em sua mais recente produção para os cinemas, Iannucci aproveita um período da história russa para criar sua farsa sobre a disputa de poder nos bastidores após a morte do então secretário-geral da União Soviética.

Os eventos históricos envolvendo a morte de Josef Stalin ganham o tratamento crítico e humorado de Iannucci e servem de pretexto para este roteiro que imagina uma sucessão de situações hilárias – e que só não são mais inacreditáveis porque são russas!

A trama acompanha os ministros do governo de Stalin tentando lidar com a questão da sucessão de poder, com o funeral do secretário e a administração do povo russo, tudo isso em meio a muitas trapalhadas, traições e execuções.

O longa conta com um elenco formidável de atores, incluindo Steve Buscemi, Simon Russell Beale e Jeffrey Tambor nos papéis principais. As cenas de interação entre seus personagens, como nas reuniões de comitê, rendem gags visuais impagáveis.

Além disso, o texto de Iannucci apresenta, como em Veep, muitas piadas e tiradas por minuto, em um ritmo quase difícil de acompanhar (sob o risco de perder uma nova referência por estar ainda rindo da anterior).

É possível que muitos espectadores desconheçam o trabalho de Armando Iannucci ou não se interessem pela produção devido ao seu conteúdo aparentemente histórico, mas a verdade é que A Morte de Stalin é uma das comédias mais divertidas e inteligentes dos últimas anos.

E ainda ficamos imaginando como seria a versão de Iannucci para os bastidores da política brasileira!