Por mais complicado que seja adaptar acontecimentos da realidade para a TV, não dá para negar que isso é uma tendência entre as séries competidoras do Emmy: dramas históricos. E um novo nome surge nessa tendência: The Looming Tower, série da Hulu baseada na ascensão de Osama Bin Laden e da Al-Qaeda.

Baseada em um livro de Lawrence Wright, a trama retratou como a rivalidade entre a CIA e o FBI interferiu nas investigações, inclusive tendo consequências que podem ter influenciado o 11 de setembro. The Looming Tower acompanhou uma equipe de combate ao terrorismo pelo mundo, perseguindo informações que pudessem ajudar no combate à organização.

Mas ela não é a primeira a se apropriar de dramas passados para construir uma ficção recente. Não importa se o foco é em uma pessoa real ou um acontecimento mais amplo; essas adaptações têm se tornado uma mina de ouro para produtores. É o caso de produções como American Crime Story (O Povo vs. O.J. Simpson e O Assassinato de Gianni Versace), Feud: Bette e Joan (entre a briga judicial de Bette Davis e Joan Crawford), Genius: Picasso (da National Geographic), The Crown (sobre a vida da Rainha Elizabeth II), Narcos e outras. Seguindo essa tendência, até séries brasileiras têm surgido — como O Mecanismo, sobre os escândalos de corrupção envolvendo a Petrobras.

Produtores evitam conflitos factuais

Obviamente, produções que se baseiam em pessoas reais são polêmicas. Feud chegou a movimentar um processo contra o estúdio, enquanto o caso Versace só foi mal recebido pela família do estilista. Dan Futterman, o produtor de The Looming Tower, contratou uma equipe especial para analisar o roteiro a fim de evitar processos por difamação e afins. "Eles dão retorno em forma de perguntas, às vezes procurando material de pesquisa, às vezes pedindo mudanças", explica Futterman. Boa parte das perguntas são sobre os atos dos personagens; se eles já sabiam de algo que poderia ser evitado o ocorrido ou algo assim.

E parece que as dificuldades legais não são as únicas a atrapalhar a adaptação dos acontecimentos: em alguns casos, o problema também pode ser uma questão mais pessoal. É o caso de Paterno, o filme da HBO sobre o treinador Joe Paterno lidando com denúncias de abuso sexual por parte de outros membros de sua comissão técnica — e como isso interferiu no time de Penn State. Segundo o diretor Barry Levinson, às vezes o problema era garantir que filmassem um drama, e não um documentário.

"Eu tenho certeza que algumas pessoas vão argumentar sobre esse ou aquele momento, ou sei lá. Eu vejo assim: isso é um um olhar humanista sobre o tempo e os incidentes que aconteceram?" Levinson acrescenta que assistiu a algumas cenas com a família Paterno, e disso surgiu inspiração para algumas cenas dramáticas. "A sensibilidade é o que tentamos alcançar. Não é como se nós inventássemos um filho para ser o adversário. Tentamos nos basear na informação que recebemos."

Já para a produção de Waco, uma série que acompanha o cerco à seita religiosa de David Koresh, eles tentaram mudar os fatos o mínimo possível — mas, às vezes, foi necessário. O produtor John Erick Dowdle admitiu que algumas alterações foram primordiais, como reduzir o número de personagens envolvidos. "Nós dizíamos: 'vamos apenas mexer em algo se isso fizer a verdade parecer mais verdadeira'. Em vez de três pessoas fazerem algo, vamos deixar como um ato individual, para ajudar a audiência a se lembrar quem era quem. Nós dizíamos 'vamos agitar isso' e fundíamos duas pessoas em uma só."

Produtor de The Looming Tower se preocupa com a reação de vítimas e familiares

Outro debate que se basear em fatos traz é a questão do tempo. Quando tempo depois que ocorreu é considerado o bastante para se abordar? E se surgir uma notícia que vai mudar tudo, ou pior: não tivermos informações suficientes para construir algo coerente?

Futterman, produtor de The Looming Tower, acredita que coletou muitas informações relevantes, mas se preocupa com a interpretação das vítimas da tragédia do 11 de setembro e suas famílias.

"O ponto que nós buscamos foi conscientizar todas as partes envolvidas de que existem pessoas diretamente afetadas por aquele dia, o 11/09, que perderam familiares e amigos, que estão procurando respostas repetidamente há anos, mas não as encontraram. Eles foram ignorados ou tiveram retornos pouco satisfatórios, ou foram informados de que é informação sigilosa. Algumas das feridas podem ser recentes, causadas pelas repetidas negações de respostas. Então nós temos que nos perguntar de novo, e bem alto e na TV, para então vermos o que acontece."

Este texto foi escrito por Verenna Klein via nexperts.