Viola Davis, a estrela de How To Get Away With Murder, costuma pegar papéis de destaque em bons filmes. Mas, para ela, o drama Histórias Cruzadas não entra nessa categoria.

Ao participar do filme de 2011, Davis ganhou um prêmio de Melhor Atriz do Screen Actor's Guild, além de ter sido indicada ao Oscar, ao BAFTA e ao Globo de Ouro. Mas prêmios não são tudo: em entrevista ao The New York Times, foi questionada se existem papéis que ela se arrepende de ter negado. "Um ou dois", ela esclareceu, adicionando que se preocupa mais com papéis que ela aceitou, porém acredita que não deveria ter gravado. E completou: Histórias Cruzadas está nessa lista.

A trama acompanha Eugenia (Emma Stone), uma jovem jornalista que resolve escrever um livro sobre as experiências de empregadas domésticas negras em Jackson, Mississipi. Na época, os Estados Unidos passavam por movimentos contra as leis de segregação racial e toda a violência desse período. Viola Davis interpreta uma dessas empregadas, Aibileen, que teve o filho morto por conta do racismo.

Viola Davis questiona a premissa de Histórias Cruzadas

Ao longo do filme, acompanhamos empregadas domésticas e as famílias para as quais elas trabalham, vivenciando situações extremas de racismo. Todas elas têm uma função: cuidar da casa e dessas crianças, mesmo tendo pouco tempo para cuidar dos próprios filhos. Para Viola Davis, o longa deveria focar no ponto de vista dessas mulheres — citando ainda Minny, a personagem de Octavia Spencer.

"Eu senti que, no fim das contas, não foram as vozes das empregadas que foram ouvidas. Eu conheço Aibileen. Eu conheço Minny. Elas são minha avó. Elas são minha mãe. E eu sei que, se você faz um filme cuja premissa é 'quero saber como é trabalhar para pessoas brancas e criar suas crianças em 1963', eu quero ouvir como essas pessoas realmente se sentem quanto a isso. Eu não ouvi nada desse tipo ao longo do filme."

Apesar disso, Davis acrescenta que teve uma boa experiência profissional com a obra e que as amizades que ela ganhou "são algumas que eu vou manter pelo resto da minha vida". Ela acrescenta: "Eu tive um ótimo relacionamento com essas outras atrizes, que são seres humanos extraordinários. E eu não poderia pedir um colaborador melhor do que Tate Taylor [diretor]."

Além de Viola Davis e Octavia Spencer (que levou um Oscar por seu papel nesse filme), Histórias Cruzadas tem no elenco nomes como Jessica Chastain e Bryce Dallas Howard. Na época, o longa foi um sucesso de crítica e audiência — conquistando uma bilheteria de US$ 216,6 milhões.

É preciso lembrar que Histórias Cruzadas foi lançado em 2011. Hoje, a recepção poderia ser completamente diferente — assim como a percepção de Viola Davis também mudou. Segundo ela, ter responsabilidade profissional sobre os papéis que aceita foi um grande desafio da sua carreira, que a tornou a grande atriz que conhecemos hoje.

"A responsabilidade de sentir que eu sou uma esperança negra para mulheres não brancas tem sido um grande desafio profissional. Ser um modelo a ser seguido quando você está com dificuldades na sua própria vida é difícil. Olhando para os problemas e vendo que, uma vez que você esteja no topo, pode escolher entre pegar o papel de liderança ou deixar isso de lado e dizer 'tenho que me preservar'. Eu escolho ser uma líder."

No momento, a atriz está em pós-produção de Widows (em tradução livre, Viúvas). O filme estreou no Festival Internacional de Cinema de Toronto e chega aos cinemas no dia 16 de novembro.

Este texto foi escrito por Verenna Klein via nexperts.