Na quinta-feira (7), Woody Allen entrou com um processo contra a Amazon Studios em Nova York. O diretor alega que a companhia desistiu de um contrato de quatro filmes por conta de “uma acusação infundada de 25 anos atrás”.

No processo, Allen reclama que a Amazon Studios se recusou a lançar seu longa-metragem A Rainy Day in New York e a produzir outras três obras sem apresentar grandes motivos. Agora, ele quer US$ 68 milhões em danos.

“A Amazon tentou justificar sua atitude fazendo referência a uma acusação infundada de 25 anos atrás, que já era conhecida dela e do público antes da assinatura do contrato. Portanto, não há base para a rescisão”, diz a ação.

O processo conta que a Amazon rescindiu seu contrato com Allen porque, além das acusações de abuso sexual, há uma “crescente recusa de grandes talentos em trabalhar ou se associar a ele de qualquer maneira”.

De fato, diversas estrelas de Hollywood que já trabalharam com Allen fizeram críticas públicas ao diretor – entre eles, a diretora Greta Gerwig, a atriz Mira Sorvino e o ator Colin Firth.

A Rainy Day in New York é estrelado por Timothée Chalamet, Elle Fanning, Diego Luna, Rebecca Hall e Jude Law. Chalamet e Hall já anunciaram que doarão para caridade os cachês que receberam pelo filme.

#MeToo afasta diretor e companhia

Woody Allen processa Amazon Studios por quebra de contrato

De acordo com o processo, a relação entre Allen e a Amazon Studios começou a ficar instável no fim de 2017, no auge do movimento #MeToo, quando Roy Price renunciou ao cargo de presidente da empresa por denúncias de assédio sexual.

Em dezembro, executivos da Amazon Studios e representantes de Allen discutiram a publicidade negativa das acusações contra Price. A relação da companhia com o produtor Harvey Weinstein também era um grande motivo de preocupação.

Então, um dos principais advogados da Amazon Studios, Ajay Patel, sugeriu que o lançamento de A Rainy Day in New York fosse empurrado para 2019, o que Allen aceitou.

No começo de 2018, a filha adotiva de Allen, Dylan Farrow, concedeu uma entrevista ao programa CBS This Morning e o acusou de molestá-la em 1992, quando ela tinha apenas 7 anos. O diretor nega que tenha feito isso.

Em junho, a companhia enviou um aviso de rescisão à Gravier, produtora do diretor. “A Amazon não pretende distribuir ou explorar os filmes em nenhum território nacional ou internacional”, diz um trecho do email enviado por Patel.

As duas últimas obras lançadas por Allen – Café Society (2016) e Wonder Wheel (2017) – foram distribuídas pela Amazon Studios. No anúncio da primeira, o diretor escreveu: “Como todo início de relacionamento, há muita esperança, afeição e boa vontade – os processos vêm depois”.

Este texto foi escrito por Kamylla Silva via nexperts.