The Umbrella Academy, nova série da Netflix, é baseada no quadrinho escrito pelo músico Gerard Way, da banda My Chemical Romance, e ilustrado pelo brasileiro Gabriel Bá. No papel da viã Cha Cha, a produção traz ninguém menos do que a atriz e cantora Mary J. Blige, que contou ao portal Entertainment Weekly um pouco mais sobre a personagem e suas cenas de ação.

“Quando li o script, foi superempolgante, mas foi a personagem Cha Cha que me atraiu. Ela representa algo que eu nunca havia feito antes, mas sempre quis: interpretar uma psicopata, alguém sem emoções, que não se importa com nada além de assassinato, assassinato, assassinato. Profissional, sem nunca vacilar. Eu sempre quis aprender artes marciais, sempre quis usar vários tipos de armas de fogo — e fiz exatamente isso. Foi o que me atraiu para o papel.”

Reprodução/Netflix

A assassina-viajante do tempo Cha Cha trabalha com seu parceiro Hazel — interpretado na série por Cameron Britton — para “corrigir” certas pessoas e evitar que a integridade do espaço-tempo seja desfeita. Cha Cha e Hazel têm atitudes diferentes quanto ao seu trabalho. “Ela é uma sociopata, não se importa com nada nem ninguém. A única pessoa que ela considera é Hazel, porque ele a ajuda a matar”, conta Blige. Já Hazel mata porque é o seu emprego e lhe traz benefícios.

Para interpretar esses assassinos, Blige e Britton precisavam saber não apenas manusear armas de fogo, mas também lutar. Em vez de recorrer a dublês para as cenas de ação, a atriz escolheu aprender artes marciais. “Fiz várias das minhas cenas de ação e luta. Fiquei pendurada em cabos de aço e tirei cacos de vidro do meu rosto. Foi uma loucura”, contou ela à revista Variety.

Reprodução/Netflix

“Eu disse: ‘olha, não tenha medo, me jogue, me dê um soco, que seja! Faça, apenas faça’ Eu sou forte”, lembra Blige, a respeito de uma cena de luta com Britton — que mede 1,95 m, enquanto ela tem 1,75 m. O ator disse ter ficado impressionado com o profissionalismo da artista. “Ela estava em pé às 6h da manhã aos sábados para aprender artes marciais enquanto eu ainda estava no meio do meu sono.”

Apesar de a adaptação da personagem na série não ser totalmente fiel aos quadrinhos, isso pode ser um ponto positivo, pois ela foi mais bem trabalhada dando um ar menos unidimensional. Gerard Way aprovou a escolha e a interpretação e disse que “é uma honra” ter Blige na produção.

Este texto foi escrito por Carolina Bernardi via nexperts.